O M2 é um dos maiores aglomerados globulares de estrelas atualmente conhecidos por percorrer o halo da nossa Via Láctea.

Depois da Nebulosa do Caranguejo, M1, este aglomerado estelar gigante é a segunda entrada na famosa lista de coisas do astrônomo do século XVIII, Charles Messier, que não são cometas. O M2 é um dos maiores aglomerados globulares de estrelas atualmente conhecidos por percorrer o halo da nossa Via Láctea. Embora Messier tenha originalmente descrito uma nebulosa sem estrelas, esta impressionante imagem do Hubble resolve estrelas nos 40 anos-luz do M2. Sua população de estrelas é de cerca de 150.000, concentrada em um diâmetro total de cerca de 175 anos-luz. A cerca de 55.000 anos-luz de distância da constelação de Aquário, esse antigo habitante da Via Láctea, também conhecido como NGC 7089, tem 13 bilhões de anos.

Direitos autorais da imagem e créditos da imagem: ESA / Hubble e NASA, G. Piotto et al.

Telescópio Espacial Hubble

Texto: Júlia Machado

NASA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Click to listen highlighted text!