A Nebulosa Água-viva

Normalmente fraca e indescritível, a Nebulosa Água-viva é capturada neste fascinante campo de visão telescópico. A cena inteira é um mosaico de dois painéis construído usando dados de imagens de banda estreita, com emissão de átomos de enxofre, hidrogênio e oxigênio mostrados em tons de vermelho, verde e azul. Está ancorada à direita e à esquerda por duas estrelas brilhantes, Mu e Eta Geminorum, ao pé do gêmeo celeste. A Nebulosa Água-viva em si é à direita do centro, a mais brilhante cordilheira de emissão com tentáculos pendentes. De fato, a água viva cósmica é parte do remanescente de supernova em forma de bolha IC 443, a nuvem de detritos em expansão de uma estrela massiva que explodiu. A luz da explosão atingiu o planeta Terra há mais de 30.000 anos. Como sua prima em águas astrofísicas, a supernova da Nebulosa do Caranguejo remanescente, a Nebulosa da Água-viva é conhecida por abrigar uma estrela de nêutrons, o remanescente do núcleo estelar desmoronado. Uma nebulosa de emissão catalogada como Sharpless 249 preenche o campo no canto superior esquerdo. A Nebulosa da Água-viva está a cerca de 5.000 anos-luz de distância. A essa distância, essa imagem teria cerca de 300 anos-luz de diâmetro.

Texto: Júlia Machado

Crédito de imagem e direitos autorais: Dados – Steve Milne e Barry Wilson, Processing – Steve Milne

NASA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Click to listen highlighted text!